Situação da estiagem se agrava e preocupa população de São Carlos

A forte estiagem que assola o Sul do País, e principalmente o Oeste e a região de São Carlos contou com uma importante reunião na tarde desta segunda-feira (23) junto ao Gabinete da Prefeitura Municipal.

Estiveram reunidos representantes do COMASC, Cooperativas Alfa e Auriverde, BRF, Sintraf, Epagri, Defesa Civil, Setor de Obras e Secretaria de Agricultura de São Carlos. Alguns produtores também estiveram presentes.

A reunião coordenada pelo Prefeito Rudi Sander definiu as formas de auxilio e puxe de água, que hoje já chega a atender cerca de 130 famílias em várias comunidades de São Carlos. Caminhões pipas da Prefeitura e principalmente terceirizados credenciados desenvolvem o trabalho.

Um levantamento feito pela Secretaria de Agricultura será utilizado por agroindústrias se inteirarem sobre a realidade de cada propriedade por regiões, e as cooperativas estarão auxiliando diretamente seus associados. Epagri e Sindicato estarão dando o suporte necessário na orientação e nas demandas das políticas públicas e linhas disponíveis para minimizar os prejuízos que estão cada dia maiores.

Atualmente o poder público tem mantido o puxe de água, mas com planejamento até dezembro. O apontamento é para que haja uma cooperação de 50% do poder público e de 50% dos produtores no custo, sendo que o beneficiado tenha 30 dias para recolhimento e siga recebendo o puxe de água em sua propriedade. Todas as definições precisam ser aprovadas pela Câmara de Vereadores através de projeto de lei.

Hoje, com escassez de água, a produção de grãos está praticamente 80% perdida, fora a pastagem que foi praticamente toda afetada. A reportagem da Tropical FM acompanhou parte da reunião e todos mostraram preocupação extrema com cenário pessimista em relação a escassez de chuva, e as projeções de abastecimento e de alimento, bem como alojamento, dependendo a cultura.

São Carlos é uma das cidades mais afetadas com a estiagem, e a cerca de três semanas decretou emergência, mas ainda não teve reconhecimento por parte do Governo do Estado. Os efeitos da estiagem, agora na produção, deve em poucos meses afetar diretamente o comércio local, caso as previsões meteorológicas não mudem e apontem para a chuva necessária. Em breve mais detalhes.

Fonte: Tropical FM